Márcio Araújo é apresentado na Chape e fala sobre saída do Fla: “Decisão minha”

Márcio Araújo foi apresentado na Chapecoense na tarde desta sexta-feira. Após quatro anos defendendo o Flamengo, o volante de 33 anos vestirá a camisa do Verdão em busca de novos objetivos profissionais. Nas primeiras palavras como atleta do clube, Márcio agradeceu a confiança e o carinho recebido em Chapecó.

Muito criticado pela torcida do Flamengo em sua passagem pelo clube carioca, o volante não fugiu dos questionamentos. Segundo ele, as críticas nunca foram empecilho para ele seguir trabalhando e nem o fizeram pensar em deixar o Rubro-Negro.

– A saída do Flamengo foi uma opção minha. Tinha quatro anos de casa, conhecido todo mundo, participado de várias partidas e isso me deu a experiência de jogar em um clube que na infância era torcedor. Foi a realização de um sonho. Tudo tem seu fim. Achei melhor sair, independente de torcida ou não. Desde que cheguei tive que enfrentar tudo isso, mas nunca me desmotivei e nem foi motivo para pensar em sair – disse o volante.

Mesmo que muito criticado pela torcida, Márcio Araújo acredita que saiu do Flamengo com um saldo positivo. Contratado em 2014, ano no qual marcou o gol do título carioca, sobre o Vasco, o volante fez 219 partidas pelo time carioca e teve três tentos marcados.

– São poucos jogadores que ficam tanto tempo em um clube e consegui fazer isso lá, mais de 200 jogos. Sou muito grato a todos os torcedores, amigos que fiz lá. O que marca em uma passagem no clube são as amizades que a gente deixar, o profissionalismo que a gente entrega para o clube, o retorno que dá. Isso fica marcado nas pessoas e acho que, nos quatro anos que passei lá, eu marquei – analisou.

 Com o nome já publicado no BID da CBF, Márcio Araújo pode estrear com a camisa verde e branca no próximo domingo, quando a Chapecoense enfrenta o Inter de Lages, pela segunda rodada do Campeonato Catarinense. Sem Canteros, lesionado, a Chape tem uma vaga aberta no meio-campo.

PRIMEIRAS PALAVRAS
Agradeço a confiança. Me sinto feliz, honrado. Sempre dou meu melhor, independente das dificuldades que passamos como atleta. Não é uma exclusividade minha como atleta. Não posso reclamar, mas agradeço a Deus por cada porta que abre para mim. Quem diria que um sonho que tive na minha infância, principalmente nós do Nordeste, que sofremos muito que busca oportunidade, estaria aqui com 33 anos, não parece com minha carinha de jovem, mas 13 anos de atleta profissional.

POR QUE A CHAPE
Recebi outras propostas, analisamos bastante. Antes de acertar com a Chapecoense estava praticamente fechado com outro clube, mas é uma questão de projeto, o meu empresário conhecia o clube, falou do carinho, a dedicação e o grupo que foi formado.

CONTATO COM A TORCIDA
Não tive muito contato com os torcedores ainda. Alguns na rua me passaram muito apoio, desejaram sorte na minha chegada.

COBRANÇAS DA TORCIDA
Eu creio que faz parte na nossa carreira. Talvez por esse lado tenha levado pouco a sério essa questão de imprensa e marketing. Nunca foi meu foco e nunca vai ser. Vou agradar quem merece ser agradado, na parte de trabalho, de respeito, de reconhecimento. O torcedor, o sentimento varia muito e depende do momento do clube, o que o time passa. A gente deve respeitar isso. Isso nunca tirou minha paz, sou feliz pelo que faço. Se eu passasse em todos os clubes que passei e tivesse jogado duas três partidas, quem sabe a cobrança seria menor, porque ia aparecer menos. Creio que a relação de cobrança vem muito mais de vocês, porque vocês acompanham muito mais. Eu vivo uma vida diferente do normal. Nunca tive rede social e não foi por querer evitar crítica. Não sou apegado a essas coisas. Um dia sonhei em ser atleta profissional e as barreiras são grandes para conquistar. A insatisfação do torcedor talvez tenha barrado muitas pessoas e as deixado fora do que sonhavam. Eu, desde o início, pelas dificuldades que passei, foi apenas combustível para eu continuar a trabalhar. As cobranças fazem parte da profissão. A gente não é perfeito, vamos errar várias vezes, porque temos várias ações em campo. Vale continuar trabalhando e acreditando no que temos dentro da gente.

DURABILIDADE NOS CLUBES
A permanência nos clubes é a dedicação, o trabalho, tudo que as comissões pedem. Me dedico ao futebol, as coisas que são necessaria para minha carreira. pelas caraterísticas que tenho de marcação, de saída. Isso coopera para que as permanências sejam mais longas. A persistência também. Se eu desistisse a cada não, a cada chance que não tive de começar um jogo, uma pré-temporada no time titular, acho que não duraria tanto tempo.

KLEINA
O GIlson tem um carinho grande por mim. Agradeço a ele por isso. Sempre busca contar comigo nos clubes onde passa, me liga.

LESÃO DE CANTEROS
O Canteros tem qualidade, um meia recuado, que atua como volante, já vivenciei isso com ele no Flamengo. Um meia que chega de trás. Temos características diferentes.

(14)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

}