Início DESTAQUE Conselho Federal de Psicologia critica ‘Outro Lado do Paraíso’
Conselho Federal de Psicologia critica ‘Outro Lado do Paraíso’

Conselho Federal de Psicologia critica ‘Outro Lado do Paraíso’

106
0

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) divulgou na segunda-feira (05) uma nota criticando a abordagem da novela O Outro Lado do Paraíso, da TV Globo, em relação aos temas temas abuso sexual e saúde mental. “O Conselho Federal de Psicologia entende que a telenovela, por se tratar de uma obra capaz de formar opinião, presta um desserviço à população brasileira ao tratar com simplismo e interesses mercadológicos um tema tão grave como o sofrimento psíquico de personagem cuja origem é o abuso sexual sofrido na infância”, diz a nota publicada no site do órgão.

Na trama, Laura (Bella Piero), uma jovem que sofreu abuso sexual do padrasto, Vinícius (Flávio Tolezani), quando era criança, não consegue se sentir totalmente confortável com o marido por ter ficado traumatizada. Na semana passada, a protagonista Clara (Bianca Bin) conversou com a garota e sugeriu que ela procurasse a advogada Adriana (Julia Dalavia), que consegue acessar as memórias reprimidas de uma pessoa usando técnicas de coachinghipnose.

“São as novelas da Rede Globo que, como estratégia de elevar a audiência, frequentemente buscam embaralhar as barreiras do ficcional e do real”, continua a nota da CFP. “É consenso no Brasil de que pessoas com sofrimento mental, emocional e existencial intensodevem procurar atendimento psicológico com profissionais da Psicologia, pois são os que tem a habilitação adequada.”

“Saudamos como positiva a manifestação de diversos grupos e escolas de coaching, que, manifestando-se sobre o ocorrido, afirmaram compreender que os transtornos mentais devem ser cuidados por profissionais da saúde mental”, continua o texto. “O CFP faz um alerta à sociedade para que não se deixe iludir. As pessoas devem buscar terapias adequadas conduzidas por profissionais habilitados para os cuidados com a saúde, particularmente a saúde mental.”

Procurada por VEJA, a assessoria de imprensa da Globo não se manifestou sobre o assunto até a publicação desta nota.

(106)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

}