Quarto dia de greve em Manaus tem 100% da frota paralisada

A frota de ônibus do transporte coletivo foi 100% paralisada no fim da manhã desta sexta-feira (1º), quarto dia de protestos na capital, segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram). O G1 tenta contato com o Sindicato dos Rodoviários. Rodoviários cobram reajuste.

Na noite desta quinta-feira (31), o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) determinou que o Sinetram, juntamente com as nove empresas que atuam no sistema de transporte coletivo da capital, cumpram o contrato de concessão do transporte coletivo e mantenham a circulação da frota de ônibus, em no mínimo 60%, nesta sexta-feira (1º). Parte das linhas chegou a ser liberada nas primeiras horas do dia.

Mais cedo, motoristas obstruíram a circulação de veículos no Terminal 1, na Constantino Nery. Dois ônibus do transporte coletivo que faziam parte das manifestações no Terminal foram apedrejados. Por volta de 11h, os manifestantes deixaram o local com destino às garagens.

TRT proíbe greve

Uma outra decisão do juiz plantonista do TRT 11ª Região Gerfran Carneiro Moreira proíbe o Sindicato dos Rodoviários e seus representantes de obstruírem total parcialmente as garagens das empresas de transporte coletivo de Manaus.

Em sua decisão o magistrado também impôs uma multa de R$ 100 mil caso haja desobediência à ordem judicial, além de assegurar o uso de policiamento durante a notificação da ordem pelo oficial de Justiça, ao Sindicato dos Rodoviários.

A prefeitura aguarda também a manifestação de uma outra ação ajuizada nesta quinta-feira, no TRT 11ª Região, contra o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram).

Multa por hora de greve aumenta para R$ 300 mil

Também nesta quinta (31), o TRT aumentou para R$ 300 mil por hora de paralisação o valor da multa imposta ao Sindicato dos Rodoviários.

No documento expedido pelo plantão judiciário nesta tarde, a desembargadora plantonista Maria de Fátima Neves Lopes determinou ainda o bloqueio de R$ 20 mil nas contas do Sindicato dos Rodoviários, por dia de descumprimento.

Greve

Os motoristas e cobradores deflagraram greve na terça-feira (29) e somente 30% da frota saiu das garagens. O segundo dia de paralisação o volume de ônibus circulando foi 70%. Na terça-feira mais de 350 mil pessoas foram prejudicadas, ontem mais de 255 mil usuários também foram afetados, de acordo com os operadores do sistema.

Os passageiros reclamam das dificuldades com transporte na capital. Atualmente, as nove concessionárias que operam o transporte coletivo de Manaus transportam, em média, 750 mil passageiros em 229 linhas.

A categoria pede reajuste salarial de 6,5% referente à data-base de 2017 e também de 2018. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), que representa as empresas do sistema de transporte coletivo de Manaus, disse que o reajuste máximo possível é de 4%. Os rodoviários reivindicam o repasse do FGTS e INSS.

(74)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

}