“Estamos fazendo mais com menos”, diz Wilson Lima ao anunciar até 180 cirurgias por mês no HPS da Zona Norte

Ao acompanhar o início da oferta de cirurgias eletivas no Hospital e Pronto-Socorro da Zona Norte (Delphina Aziz), nesta segunda-feira (15/04), o governador Wilson Lima destacou a economia de R$ 2 milhões/mês obtida com o novo contrato de gestão da unidade e o avanço na oferta de serviços. Serão oferecidas entre 150 a 180 cirurgias por mês e a meta é colocar o HPS funcionando em plena capacidade. Em janeiro, quando o atual governo assumiu, a ocupação era de 32%.

O Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) foi contratado para gerenciar o Complexo da Zona Norte, que compreende o HPS Delphina Aziz e a UPA Campos Sales. “Só nesse procedimento de assinatura de contrato, nós já estamos economizando R$ 2 milhões por mês. Ou seja, nós estamos fazendo mais com menos. E essa é uma política que tem sido adotada por mim e pela minha equipe, desde que assumimos o Governo do Estado, de conter gastos”, afirmou Wilson Lima.

O governador destacou que, somente nos primeiros três meses de administração, a redução de despesas é da ordem de R$ 82 milhões relativos ao corte de gastos com combustível, com alugueis, renegociação de contratos, viagens e diárias. “Estamos economizando e oferecendo mais serviços, com o é o caso da saúde, que estamos ampliando a oferta de cirurgias”, frisou.

O funcionário público Alberto França, um dos primeiros beneficiados com o início das cirurgias eletivas no HPS, esperava há mais de um ano pela cirurgia para a retirada de uma pedra na vesícula. “Eu fico muito contente, porque até que enfim chegou minha vez. Aqui é maravilhoso, estou sendo muito bem tratado, bem acompanhado, sempre tem alguém aqui verificando as minhas condições, estou contente”, disse ele, momentos antes da cirurgia.

O planejamento para a implantação do projeto contempla, também, transplantes previstos para entrarem em execução na terceira etapa. “Deverá ser transplante de rim, de fígado e também implante coclear, que é feito fora do Amazonas, inclusive, causando um grande transtorno para as famílias e para os pacientes e também gerando um custo muito significativo para o Estado”, informou Wilson Lima. No final das fases de implantação, todos os 312 leitos do hospital, dos quais 50 de UTI, e 11 salas cirúrgicas, estarão funcionando integrados com os serviços da UPA Campos Sales.

A unidade também vai intensificar o atendimento ambulatorial (consultas e exames), para reduzir o tempo de espera de quem está na fila do Sistema de Regulação (Sisreg).

(23)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com